Doces memórias. Doce passado!


Sinto-me um pouco vazia e desdobro-me para tentar entender se é melhor estar vazia ou cheia de algo que nem eu sei o que é. Todo o meu sentimento nunca coube na tinta da caneta nem num simples papel. Sempre transbordei por não saber conter-me, por não saber onde devia parar e guardar tudo para mim. Tento, hoje em dia, espremer-me para conseguir não sofrer mais de tanto ter algo em mim e acabo por ter menos do que o que preciso e não consigo nem escrever uma única frase aceitável.
Tudo o que me resta é apenas a nossa fotografia e tu continuas a insistir que aquilo é apenas uma fotografia. Na verdade, para mim, aquela "apenas uma fotografia" é o único restinho de esperança que eu ainda tenho, é a sensação de que, ali no papel, naquele instante e naquele lugar, nos conseguimos permanecer eternos e felizes, imponentes perante tudo aquilo que aconteceu depois do flash. Naquela fotografia nós conseguimos ser um do outro para além daquele período de tempo que estava destinado para nós e passem dez, cinquenta ou duzentos anos, ali seremos sempre nós a sorrir e a nutrir sentimentos mútuos um pelo outro.
Quando foco o meu olhar na dita fotografia, sinto uma força imensa a invadir-me e a consumir-me por dentro, como se aquela imagem fosse a razão pela qual eu sigo em frente, na certeza de que tenho coragem suficiente para ultrapassar, ver as feridas a cicatrizar e a sorrir quando lembrar-me da razão pela qual as tenho. Como se aquela imagem fosse a minha motivação para fazer a minha vida da forma como quero, realizar os meus maiores sonhos e daqui a trinta anos, quando cruzar-me contigo por aí, uma dessas ruas da nossa pequena cidade, eu poder dizer orgulhosamente "Eu estou ótima. Estou ao lado de um homem que amo muito e tenho a vida que sempre quis ter. E tu, como estás?".
Sinto-me uma criança: inundada de felicidade quando deveria ter o coração partido. Não, meu amor, este amor foi verdadeiro. As memórias boas que ficaram são mais fortes que qualquer dor ou mágoa. O que me ensinaste foi melhor do que qualquer mal que me possas ter feito.

Com amor e respeito,
a primeira rapariga da tua vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário